Cotidiano Cruel – Execução Medieval – Ritual Infame

O caminho para o local da execução e a própria execução são objeto de uma cerimônia na qual todos os momentos têm um sentido. A rua que conduz ao suplício é sempre a mesma, em todas as cidades, e deve ser cheia de muito público: o cortejo passa a uma hora de atividade, se possível num dia de feira. A multidão aperta-se. Essa mesma multidão também pode ser solicitada quando das paradas do cortejo, geralmente nas encruzilhadas, para insultar o condenado ou alvejá-lo com pedras e lama. “Batei forte e não poupeis este debochado, pois ele prestou um serviço bem pior!” grita ainda o público. O condenado é posto numa carroça, a carroça da infâmia que é a mesma lama e do lixo das ruas. No momento da execução, um responsável pela justiça grita o ato de acusação, o dictum, ao povo que o escuta. Depois o carrasco faz o seu ofício.

os gestos e os gritos que marcam o tempo da cerimônia têm um sentido simbólico. A pena deve revestir-se de um valo exemplar e o poder afirma assim a sua roça. Mostra aos olhos de todos que pode ser poder de morte. Todos os teóricos políticos do fim da Idade Média que refletem sobre a importância da pena de morte insistem nesse ponto. A punição para exemplo manifesta-se a partir do reinado de São Luis e aumenta nos fins do século XV, no reinado de Luis XI, como o testemunham numerosas decapitações por motivos políticos, como por exemplo a execução do conde de Saint-Pol. E o próprio rei dizia que “não se pune o malfeitor pelo mal feito mas para dar o exemplo”.

A multidão esta presente para receber o exemplo e, como esta aterrorizada, pode ser dominada. Mas a multidão também esta presente para participar na execução e a sua presença é necessária à realização da pena. É testemunha da infâmia que, pouco a pouco, no decorrer do ritual judiciário, lança o condenado para fora do mundo dos vivos, excluindo-o como inútil ao mundo e irrecuperável. Tudo concorre para construir a infâmia do condenado cuja honra deve ser achincalhada para que se possa aplicar a pena. A presença do público garante a eficácia da vergonha e da lembrança da pena.

Numa época em que a honra se manifesta mais pela fama, isto é, pelo olhar e pelo julgamento que os outros dirigem sobre o indivíduo, essas cerimônias criam uma infâmia irreversível. Alguns, condenados, pedem para serem condenados de noite, e se possível afogados em vez de enforcados porquanto a desonra do cadafalso recai na totalidade dos seus familiares. Isto porque a lembrança da pena perdura para lá do castigo. Os corpos enforcados ficam por vezes vários anos na forca, até caírem em pó, e é preciso uma autorização especial da justiça para que os parentes os possam retirar e enterrar.

O ritual da pena de morte, tal como instalado no final da Idade Média, mostra bem a condenação é vivamente sentida como um atentado à honra pessoal e familiar. Mas o povo também esta presente para ser ativo. Como vimos, intervém através de gestos e de gritos que relembram o linchamento. Por outro lado, a sua presença pode revelar-se benéfica. De fato até o último minuto, a multidão pode intervir para fazer de modo a que o condenado seja agraciado, perdoado.

O medievo não foi uma Idade das Trevas mas teve suas particularidades cotidianas negativas.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s